quinta-feira, 13 de julho de 2017

Perderam o respeito pelo Rock

Hoje é o dia em que o brasileiros - e somente os brasileiros, viu? - comemoram o "Dia 'Mundial' do Rock". Só se for Mundial dos supermercados Mundial, pois o resto do mundo não está nem aí para fazer o sinal do chifrinho com a mão. 

O rock perdeu o respeito. Virou uma palhaçada. Perdeu o seu caráter de rebeldia e transformação. Virou uma festinha e uma mera oportunidade para conservadores posarem de rebeldes sem atrapalhar os interesses dos ricaços hoje felizes com a condenação do Lula e com a revogação da Lei Áurea.

O rock virou o oposto de sua consagração. Frequenta canais destinados ao público infanto-juvenil, como se fosse um tipo de música para pueris. Muitos roqueiros, após virarem magnatas, se bandearam para o lado conservador e hoje defendem o oposto da essência rebelde da cultura rock.

Hoje o rock virou uma palhaçada, marcado por camisetas pretas e sinais com as mãos que parecem coisa de babaca ocioso. Não há um novo roqueiro capaz de devolver ao gênero o brilhantismo marcado na segunda metade dos anos 60. 

O mais próximo do rock que temos hoje são os breganejos e seu roquinho de meia tigela e as bandas farofeiras que usam o gênero para ganhar dinheiro. Até mesmo na música alternativa atual, heroico reduto da espontaneidade musical, predomina outros gêneros musicais ou híbridos do rock com outros tipos de música.

Quanto ao rock, aquele ritmo que a gente conhecia, junto com a sua cultura associada, há quase nada a comemorar. Hoje não passa de um dia para os não-roqueiros forjarem falsa rebeldia fazendo chifre com as mãos, com cara de mau e linguinha para fora. Depois a onda passa e eles estarão de volta a pasmaceira musical alienante que rola frequentemente nas rádios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.